domingo, 18 de fevereiro de 2018

AMOR VERSUS PONTO CRUZ




AMOR VERSUS PONTO CRUZ 


Quanta saudade de teu olhar imagético,
Fino porte infernizando meus lábios silentes,
A vénia de um sorriso em meu ar patético
E também de mim, que amei entre os dentes!

Saudade que me tem louca de desejo
De estar perto de ti, longe de tudo
Que apoquente a memória. Não vejo
Fluído pensamento à flor de veludo!

Vergo a alma combalida ao pano cru
Bordejando... elegia que não condiz
Com o tom escarlate que seduz.

Quanta sílaba pela noite, ao limiar da luz,
Passajando a quimera! Ainda assim diz
Que nós somos amor versus ponto cruz.

© Ró Mar

sábado, 20 de janeiro de 2018

SENTI TEU AMAR


Imagem - Bellissime Immagini 


SENTI TEU AMAR


Minha saudade é sorriso lindo,
Amor brejeiro, um dia colorido
Que inventou sol à face do amigo.
E o meu coração parte contigo.

Lindo dia de açucenas que trazias
Em regaço. Minha alma gémea, ser
De paixão, soletrando poesias
Num olhar que me concebia mulher.

Minha saudade é luz dum universo
Diferente, vento azul soalheiro
Que diz: vale a pena aquele verso.

Lindo o teu olhar de verde respirar
Que dizia: o coração é conselheiro.
E ao seu colo embalei e senti teu amar.

© Ró Mar 

sábado, 13 de janeiro de 2018

O LIVRO CHARNECA EM FLOR




Flor Bela de Alma da Conceição Espanca



Florbela Espanca - Vila Viçosa, 8 de Dezembro de 1894 - Matosinhos, 8 de Dezembro de 1930


O Livro Charneca em Flor


Florbela Espanca escreveu o Livro Charneca em Flor numa fase conturbada de sua vida e última, pois, logo em seguida partiu, a 8 de dezembro de 1930 (pondo termo à vida), antes de ser publicada a obra.  
Entendo que a poetisa pretendia com este livro o reconhecimento literário, exprimindo um outro Eu lírico, diferente do de suas obras anteriores (Livro das Mágoas e Livro Sóror da Saudade), numa linguagem poética madura e estética literária - soneto, que lhe assegurasse o êxito desejado. Penso que a poetisa preveniu a sua memória na dolorosa estadia pelo mundo em plena consciência de algo inevitável, pois, para além de se retratar muito bem ao longo da obra, mostra uma outra faceta desconhecida do público a de uma "Charneca em Flor" - o Renascimento, que não seria por certo o estado de espírito real da época que vivia. O que me fascinou mais foi o fato da poetisa se conseguir desdobrar na perfeição entre o Eu presente e o Eu passado e criar um terceiro Eu lírico, em que auto retrata com uma extrema naturalidade e beleza transpondo à vida genuína e rejuvenescente, que abarcaria sua alma, excelsa poesia. Neste livro está expresso todo o sentimento e dedicação da poetisa, enaltecendo a vida, a pátria (Alentejo), o amor, com fina e cuidada escrita de uma beleza e leveza incomparável. 
Em suma, Florbela Espanca, viveu incessantemente em busca do amor - amor absoluto, o qual seria impossível nesta vida, o que transpõe para uma outra vida (vida plena) - amor eterno, deixando o nobre e único testemunho humano feminino compilado numa obra (Charneca em Flor). A qual teve grande aceitação e êxito por parte do público, o que levou ao reconhecimento, desejado pela poetisa, do mérito e a consagrou como grande figura feminina da Literatura Portuguesa do séc. XX.

Entre a riqueza de linguagem poética dos sonetos, contos entre outros de Florbela Espanca em que o amor tem o papel principal e a vida o tempo ilimitado, foi extremamente difícil selecionar um, pois, eu amo poesia, a temática e admiro a poetisa como pessoa e mulher que o foi.

Escolhi o Livro Charneca em Flor, uma vez que foi o último livro que a poetisa escreveu e referencio o poema que lhe dá o título, pois o mesmo aborda o contexto do livro. 


Charneca em Flor


Enche o meu peito, num encanto mago, 
O frêmito das coisas dolorosas... 
Sob as urzes queimadas nascem rosas... 
Nos meus olhos as lágrimas apago... 

Anseio! Asas abertas! O que trago 
Em mim? Eu oiço bocas silenciosas 
Murmurar-me as palavras misteriosas 
Que perturbam meu ser como um afago! 

E nesta febre ansiosa que me invade, 
Dispo a minha mortalha, o meu burel, 
E, já não sou, Amor, Sóror Saudade... 

Olhos a arder em êxtases de amor, 
Boca a saber a sol, a fruto, a mel: 
Sou a charneca rude a abrir em flor! 

Florbela Espanca, in Charneca em Flor


Interpretação poética do soneto "Charneca em Flor":


O soneto "Charneca em flor" é o poema mestre do Livro Charneca em Flor, pois, ele revela o tema abordado na obra de Florbela Espanca. 

Poema composto por quatorze (14) versos; quatro (4) estrofes: as duas primeiras quartetos (4 versos) e as duas seguintes tercetos (três versos). 

Fazendo a contagem das sílabas métricas do primeiro e último verso verifico que os versos são decassílabos (10 sílabas):

  1º  verso:  - "En/ che o/ meu/ pei/to,/ num/ en/can/to/ mago," ;

14º verso: - "Sou/ a/ char/ne/ca/ ru/de a a/brir/ em/ flor! ".

Estrutura habitual nos sonetos de Florbela e moldes que assentam na perfeição para elaboração de um soneto, tendo em conta a rítmica e métrica das sílabas, acentuando a sexta e a décima sílabas métricas de cada verso do poema.
  
O esquema rimático do poema "Charneca em Flor" é na primeira e na segunda estrofe de ABBA, na terceira estrofe de CDC e na quarta estrofe de de EDE.

A poetisa logo no início do poema Charneca em Flor dá a entender o desejo de passagem de vida, para uma vida plena" Enche o meu peito, /num encanto mago," fazendo alusão às mágoas do passado "O frêmito das coisas dolorosas..." reafirmando o ato decisivo que lhe trará a plenitude e o renascimento "Sob as urzes queimadas nascem rosas... " para o amor eterno. Convita que irá alcançar a vida sublime reafirma-o e dá a entender que esquecerá toda a dor que viveu" Nos meus olhos as lágrimas apago...". Ora, isso só poderá mesmo ser possível com a partida, Florbela tinha o pensamento no além, no divino, não tinha outra escolha para realizar os seus desejos.

Na segunda estrofe do poema, Florbela revela uma certa pressa em alcançar a outra vida (livre, de anjo), "que só Anseio! Asas abertas!". indica que irá para o céu e o quanto antes, pois, questiona a vida presente confrontando o Eu consciente com o Eu subconsciente "O que / trago Em mim?" que persistia incentivando à paz interior, o que ela rejeita, "Eu oiço bocas silenciosas / Murmurar-me as palavras misteriosas / Que perturbam meu ser como um afago!", demonstrando firmeza em partir. Há uma outra possível leitura, o querer ser reconhecida pela sua escrita. Nesta fase do poema a poetisa indica a intenção de mudar o rumo quer na escrita, quer na vida, numa perspetiva de juventude, paixão pela vida. Remetendo para o renascimento, fase que está prestes a alcançar, quer na escrita quer pela partida para outra vida.

Na terceira estrofe, primeiro verso, o terceiro Eu lírico de Florbela começa a ganhar forma para premiar o livro "E nesta febre ansiosa que me invade, / Dispo a minha mortalha, o meu burel," exprimindo a sua intenção fugaz de viver uma outra vida, escaldante, de amor intenso quer no sentido de vida quer no de escrita. Declarando um rompimento com o passado "E, já não sou, Amor, Sóror Saudade... " e apresentando um novo presente. 

Na quarta e última estrofe o seu estado de espírito exalta-se, num turbilhão de emoções, adivinhando a boa nova "Olhos a arder em êxtases de amor, / Boca a saber a sol, a fruto, a mel: ". E é no ultimo verso que gera "fruto" o terceiro Eu lírico, auto retrato que Florbela Espanca deseja. Revelando um presente promissor, em que a velha Flor parte e renasce uma nova Flor" Sou a charneca rude a abrir em flor!"

Sabendo que a poetisa partiu pouco depois de ter escrito o livro Charneca em Flor, em dia de aniversário e aos 36 anos de idade, subentendo que colmatou o sofrimento planeando a partida como uma digna ascensão aos céus, quer a nível psicológico enquanto alma, quer físico enquanto livro.
Mas, esse aspeto não é relevante, o que importa mesmo é estar atenta a toda a beleza que envolve o livro Charneca em Flor e que enaltece a vida e o amor.

Livro que foi publicado um mês após a morte de Florbela Espanca, teve o maior êxito  por parte do público, pois para além do estilo poético revelador - neorromantismo (movimento de expressão artística, literária de florescimento do romantismo numa época positivista), abordava temas, como vida, morte, amor, sedução, desejo, mágoa, tristeza, solidão, saudade, de todo o interesse para a época, em particular para as mulheres e  de uma extrema sensibilidade e valor humano, que engrandeceu a poesia portuguesa. Sucesso que originou o reconhecimento merecido da Poetisa Florbela Espanca como grande figura feminina da nossa literatura.

Bem haja. Saudações Poéticas

© Ró Mar

http://ro-mar-poesia.blogspot.pt

sábado, 6 de janeiro de 2018

O AMOR... DESEJO DE AMAR


Imagem - IN$PiRATiON


O AMOR... DESEJO DE AMAR


O amor é desejo, muito requintado,
Serve a mestria, em taça dum frio/quente,
Consoante a percepção do ente lado a lado,
Num acaso que o tempo estima e sente.

Cúmplice momento que, transborda penas
Dum universo onde existe um apenas 
De realidade, passa o resto duma vida
Apelidado utopia, magia real dum dia.

Tempo indefinido que soletra dia a dia
O semblante que houve num singelo olhar,
Num beijo inocente, abraço de magia,

Num acaso que o tempo quer memorar,
Cúmplice momento que, inventa alegoria,
Numa poesia inscreve desejo de amar. 

© Ró Mar

segunda-feira, 1 de janeiro de 2018

RECICLANDO...


Imagem - Zzig.comunidade


RECICLANDO...


Não podemos, nem devemos, deitar fora o passado.
Há coisas que são eternas e o passado é história, com ou sem graça é história.
Temos um presente, em aberto, que podemos e devemos construir reciclando o passado. Não tendo necessariamente que construir tudo de novo, o que dava uma trabalhadeira e nem sei se chegariam os trezentos e sessenta e cinco dias para ver um futuro promissor. Objetivamente, delinearemos arestas do passado menos bom e reavivaremos os melhores momentos em prol de uma fugaz e pertinente existência que ilumine o presente ao encontro de um futuro satisfatório. 
Reciclar - eis a palavra de ordem para o novo ano que, prestes a começar, nos deixa uma enorme preguiça, pois, não é tarefa fácil seguir os contornos dos dias que se avizinham! 
Reciclemos o ano velho e com essa mais valia começaremos, pouco a pouco, a respirar um novo ar que fará com que subsistam todos os outros dias do ano. Digamos que, podemos juntar o útil ao agradável, dando o beneficio da duvida ao que correu mal e abraçando os projetos viáveis para chegar a bom porto. E, penso que no final do ano teremos de certeza absoluta uma vontade maior de festejar. Pouco a pouco atingiremos metas, mas, nunca descurando o passado, porque o passado é história, com ou sem graça é história.
Um novo ciclo de vida também se pode iniciar através de um processo de reciclagem, basta quereremos e termos vontade de abraçar uma causa nobre, com muita garra e de toda a maneira e feitio. Temos que ter consciência que vivemos em sociedade, fator fundamental para o avanço de qualquer projeto que se digne ter princípios, meio e final feliz. Reciclando...

Ró Mar