terça-feira, 3 de outubro de 2017

PELO OUTONO OCRE E BELO


Imagem - SAi$ONS


PELO OUTONO OCRE E BELO


O meu poema é vento alado
De outono temperado, 
Brisa de primavera,
Baía rodada pelo mundo
E tem cheirinho a tudo
Que passa pela quimera.

O meu poema é folha ouro
De uma árvore de outubro,
Canteiro de setembro 
Que luz a pedra à calçada
De novembro e o rio douro
Brinda o tejo a porto de vida.

O meu poema é singelo
E tem cheirinho a tudo
Que passa pela estação;
O fruto de alma e coração
De um escrito afinado
Pelo outono ocre e belo.

© Ró Mar